Nada Mais É Improvável

Começo logo com uma surpresa. Estou em casa, sentado, escrevendo para você neste sábado ensolarado de outono. Certo de que nada mais é improvável ou imprevisível no mundo (se bem que nunca foi…) e escuto a minha playlist favorita para escrever…

 

Continuo me reorganizando frente aos novos tempos, conforme escrevi no mês passado para os assinantes. Estaríamos passando por uma transição no modelo energético mundial, pois a questão da OPEC/Petróleo me cheirava mal… e depois escrevi de forma breve no aberto para vocês… Então, nesta semana pudemos ver o barril de petróleo valendo -40 dólares. Um lance de sorte, quem imaginava?

 

Os estoques mundiais de petróleo estão no limite, a gasolina não chega ao chão, e se chegasse… quem precisaria dela hoje?

 

Mas na semana passada estávamos fazendo um exercício interessante de modelar algumas empresas e pensar sobre as decisões tomadas pela via negativa… eu comentei contigo que estou mais para Amazon do que Petrobrás, tudo isto fez tanto sentido nesta semana que recebi uma porção de respostas do e-mail e novos leitores chegaram para acompanhar este corajoso prólogo semanal.

 

Durante a crise ficam ainda mais claros os instintos humanos, a dependência do nosso sistema límbico e que ninguém quer assumir prejuízos (mas acaba assumindo prejuízos ainda maiores enquanto se debatem para tomar decisões). A culpa acaba sendo da preguiça, da comida e do Netflix. Seres humanos imprevisíveis, versão XXI.

 

Enquanto Deus chora, chove aqui embaixo e as petrolíferas choram, enquanto isto, nós vemos o ajuste das assimetrias acontecendo, alguns percebem, outros não. O fato é que os sistemas se autorregulam e os agentes estressores são expelidos dele de tempos em tempos e então temos a mudança nos modelos de negócios ou nos sistemas sociais.

 

Bom, já que gostaram dos exercícios da semana passada… vamos lá!

 

Eu havia escrito um texto ontem sobre intervenções, assimetrias, empreendedores e o colapso das petrolíferas, e queria compartilhar com vocês, mas por algum motivo o meu perfeccionismo (que já acabou) fez com que o texto levasse mais tempo que o previsto e eu consegui estragá-lo, estava lindo, mas os detalhes me prenderam, ou melhor, eu me prendi aos detalhes. Você sabe como é…

 

Mas a vida segue, o que foi importante em um momento já não é mais importante no outro momento e os Rockefellers foram um exemplo disso. Até ontem.

 

Veja só,

 

A partir de agora, cada vez menos escutaremos nos Rockefellers, Carnegies e Vandebilts. Em contrapartida, cada vez mais escutaremos sobre os Musks, Bezos, Jobs. Menos XX, mais XXI.

 

Aliás, sem eles, o nosso lockdown do COVID-19 seria completamente diferente, pense no lockdown pré Steve Jobs Era.

 

Acompanhe o movimento.

 

Quais são os seus hábitos de hoje que estão atrapalhando o seu amanhã? Liste-os e você saberá o que fazer.

 

Vou relacionar alguns:

Hábitos/Destino da vida.

Olhar notificações no celular Perda de Tempo
Checar e-mails constantemente Perda de Tempo
Ver o que os outros estão fazendo na internet Perda de Tempo, testa enrugada e emocionalidade alterada.
Ler notícias sobre o mercado financeiro Esperança frustrada. Prejuízo.
Acompanhar o vai e vem do novo caso Bolsonaro – Moro Blá-blá-blá. Pessoa que não tem problema na vida pessoal, parabéns.

*Tempo com T maiúsculo, pois Tempo é divino aos que sabem o seu valor.

 

Encontre uma coisa que está lhe atrapalhando no seu dia-a-dia e proponha uma mudança. De certo modo, este é o seu paradigma, que proporciona uma série de resultados, mas que também impossibilita uma série de outros.

Mas como vou investir sem acompanhar notícias?

Como vou ser produtivo sem acompanhar notificações com frequência?

 

Bom final de semana.

Segue a leitura recomendada.

 

Abraço,

Marcelo